Roma falou!...
Roma falou!...







Roma não perdoa a traidores

"Roma falou!..." Coitados!... nem sabem onde fica Roma e confundem um estribeiro de Pilatus com o imperador!



Começou pela tentativa (três vezes falhada) de destruição do Euro. Roma não perdoa a traidores! À terceira tinha plano B. O Euro não caiu mas caíram as colónias mais frágeis do sistema.

Roma pô-las de rastos. A pedir a clemência dos vencedores!
Ficaram apenas de pé os Pilatus, servis e obedientes que fingem independência e poder lavando as mãos.

Depois de sugado o sangue das vitimas com juros (usura) especulativos, lançados os súbditos na miséria, há que passar à segunda fase do plano de exploração colonial.

Consumada a sujeição agora é só manter a pressão sobre os serviçais locais para que o ouro continue a fluir para Roma nos porões das galés digitais.

A escravatura actual é bem diferente da romana. Então... eles sabiam que eram escravos; agora não!... todos se julgam senhores!... e esta foi a maior conquista social desde então!... a possibilidade de um escravo se achar um senhor ainda que não tenha tempo para viver, dinheiro para comer, poder para decidir ao serviço da escravatura.
Tudo está programado e ele desempenha na cadeia de opressão a função que melhor reforce o sistema opressor.

Por outro lado, em Roma sabia-se quem era o opressor maior e este, de quando-em-quando caia. A experiência adquirida mostrou aos opressores que o melhor é não se mostrarem nesse papel. Antes eram respeitados pelo temor; hoje são admirados como homens de sucesso e pagam a quem faça o trabalho sujo sob a forma de governos ditos democráticos.
Estas fantochadas de democracia não passam de uma oligarquia partilhada entre poderosos dominadas por organizações funestas ditas de 'lobbys' que não são mais que os canais escondidos por ondem transitam as ordens dos poderosos para os seus lacaios nos governos.

Mas numa coisa são iguais aos escravos de todo os tempos. Todos obedecem fielmente ao dono por aceitarem (foram programados) a sua inferioridade. Mesmo quando se revoltam sob o peso da opressão, nunca é para sacudi-la; é apenas na vã esperança de torna-la mais leve para poderem servir seus amos durante muito mais tempo!... ignorando que um psicopata nunca está satisfeito com o grau de submissão da sua vitima.



Um cavalo selvagem domado nunca mais deixa de usar freio! Só assim continuará a obedecer ao seu dono.

Se Roma quer domar este cavalo, que tenta desde 1974, depois de derrubá-lo precisa pôr-lhe um freio. O cavalo está por terra graças à ajuda dos pilatus. Agora é só mantê-lo controlado com freio mas para isso é necessário ainda obrigá-lo a abrir a boca.
É essa a ultima tarefa do FMI. Pôr o freio no cavalo para que continue a obedecer a quem comanda a carruagem.

O resto é diversão de circo, com escravos a lutar com feras, para entretenimento de debochados.

22/04/2014




Visitas: